Sexta-feira, 3 de Dezembro de 2010

4º Capitulo - " Descoberta"

- Achas que estás em condições de conduzir? – Disse o David. Eu fiquei mais vermelha que um tomate.

 

- Sim, estou. Eu já estou bem obrigada.

 

- E se tens um acidente?

 

- Outro? Isso também já era muito azar. - Disse eu rindo-me.

 

- Não brinques com coisas sérias Bia.

 

- Eu não estou a brincar. A sério que estou bem, não te preocupes e eu tenho de ir que a fila já andou e eu estou com pressa. Mais uma vez,

obrigada.

 

- Tem cuidado contigo, adeus.

 

- Adeus.

 

Ambos ainda olhamos para trás e sorrimos.

 

Foi bom tê-lo conhecido, mas já tinha acabado. Não podia durar mais, eu e o David nunca poderíamos ser amigos. Ele era famoso e eu não passava de uma rapariga normal.

 

Porém, ele não me saia da cabeça, era algo forte que não conseguia controlar.

 

- Bia ? Bia?

 

- Ah, desculpa Inês, estava distraída.

 

- Pois eu até posso imaginar em que estavas a pensar. – disse a Inês rindo-se em seguida.

 

- Não comeces.

 

- Eu não, só quero que me expliques o que se passou para o David, sim, o DAVID LUIZ , vir falar contigo.

 

- Não se passou nada de mais.

 

- Achas que eu sou burra? Bem, até posso ser mas para isto não.

 

- Ok, ok Inês, eu conto-te mas só depois de chegar-mos a minha casa.

 

- A tua casa?

 

-Sim, porque?

 

- Porque vais-me pagar o jantar ou já te esqueces-te?

 

- Não, não me esqueci. Eu vou-te pagar o jantar mas vamos jantar em minha casa. -disse eu esboçando um largo sorriso em seguida.

 

A Inês disse qualquer coisa depois, mas sinceramente nem percebi, pois voltei a pensar nele, eu não podia pensar nele, estava completamente proibido isso acontecer.

 

Finalmente chegamos a minha casa. Como eu já sabia não tinha lá ninguém.

 

Subi até ao quarto e a Inês seguiu-me. Deitei-me em cima da cama e a Inês sentou-se aos meus pés.

 

- Podes começar. – disse ela com o seu sorriso maravilhoso.

 

- Começar com o quê? – perguntei eu , fazendo-me de desentendida. Eu sabia o que ela queria, queria saber o que se tinha passado de tarde mas eu, por um lado queria lhe contar mas por outro não, pois ao contar-lhe estava a dar demasiada importância ao que aconteceu. Não é que não tivesse essa importância, porque teve, mas eu tinha de esquecer o que se passou, em especial esquecer que tinha conhecido o David.

 

- Oh, não te faças de desentendida, sabes bem o que quero saber.

 

- Não Inês, asserio que não sei.

 

- Quero saber o que se passou esta tarde.

 

- Esta tarde? Bem, enquanto foste para o treino, eu fui até á praia e depois fui ter contigo.

 

- Não te faças de engraçadinha Bia, o que se passou com o David?

 

- Ah isso.

 

- Sim, isso. Anda lá Bia estou a morrer de curiosidade.

 

- Não foi nada de mais. Quando ia ter contigo ele veio com o carro para trás e quase me atropelou, depois ajudou-me e levou-me ao médico do Benfica e depois eu agradeci-lhe. Como vês nada de muito empolgante.

 

- Posso fazer-te uma pergunta Irmã?

 

- Claro que podes.

 

- Tu não sentiste mesmo nada?

 

- Como assim?

 

- Tipo, não sentiste nada de especial?

 

- Tirando a parte de estar perante o DAVID LUIZ jogador, não, nada de mais. Mas porque essa pergunta?

 

- É que eu já me tinha cruzado com ele algumas vezes e fiquei interessada nele e consegui o número dele. E hoje ia-te perguntar se não te

importavas que eu começasse a falar com ele, mas como se passou isto hoje tinha medo que também tivesses ficado interessada.

 

- Não, podes estar á vontade Inês. – Era claro que eu tinha sentido algo, não o poderia negar, mas também não o poderia dizer á Inês, se ela estava interessada e se isso a fazia feliz eu teria de me habituar á ideia, mas ele, ele não me saia da cabeça. Aquele sorriso, aqueles cabelos e aquele olhar não me saiam da cabeça.

 

-Ainda bem Irmã, eu não ia fazer nada que interferisse na nossa amizade.

 

Ambas sorrimos.

 

Descemos ao piso de baixo e fomos jantar. A D. Amélia tinha deixado carne assada e arroz no microondas para nós aquecermos.

Comemos e a Inês falava e falava e falava mas eu, eu não estava bem. Eu não conseguia deixar de pensar nele e nela. Não conseguia deixar de pensar no David e no que se passou e não conseguia deixar de pensar no que a Inês me disse. Ela era a minha melhor amiga e se ela queria estar com o David eu não me ia meter no meio, por muito que me custa-se.

 

Por mais que eu tentasse negar aquele momento com o David não me foi indiferente, eu senti algo mas tipo, ele é o David Luiz não é uma pessoa comum, mas mesmo assim eu vou tentar não me meter no meio de eles os dois.

 

Eu e a Inês subimos para o quarto e a Inês decidiu ligar ao David, visto que ela conseguiu arranjar o numero dele, eu apoiei por muito que me doesse.

 

Nii'i

 

 

 

 

 

 

 

 

publicado por fanficsomething às 15:04
link do post | Comentar | favorito

Posts Recentes

Informaçao

11º Capitulo - "Espero qu...

10ºCapitulo - "Toda aVerd...

9º Capitulo - " Ele ouviu...

8º Capitulo - " Confissõe...

7º Capitulo - " Reconcili...

6º Capitulo - "Beijo"

5º Capitulo - "A amizade ...

4º Capitulo - " Descobert...

3º Capitulo - "Olhar fort...

Pesquisar

Arquivo

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Mais sobre mim


ver perfil

seguir perfil

. 5 seguidores